Projetos de cidades brincando de lego

O que você acha de utilizar um brinquedo de criança para o planejamento de projetos de grandes complexos completos urbanos? Essa ideia tem tomado uma forma muito interessante com o renomado grupo de estudos do MIT (Massachusetts Institute of Technology). A concepção de projetos tem como ponto de partida uma definição de escopo de produto e com isso uma analisa de viabilidade técnica e financeira superficial para o desenvolvimento. É com esse intuito que o instituto criou uma plataforma onde peças de lego podem simular aglomerados urbanos com o objetivo de entender a melhor forma de harmonização da criação de estrutura física para bairros ou até mesmo cidades visando a mobilidade de engajamento da forma como os cidadãos vivem a rotina cotidiana.

Para tal plataforma funcionar foi desenvolvido um software de reconhecimento das peças de lego que possuem atribuição de representatividade de núcleos como prédios comercias ou residenciais de forma que seja possível obter resultados instantâneos sobre densidade populacional ou fluxo de trafego com o mover dessas peças.

A criação de projetos urbanos é sempre de acesso a população sugerir melhorias de acordo com as necessidade, mas devido a alta complexidade do trabalho a participação foi sempre muito abaixo do esperado e foi exatamente pensando nisso que o sistema foi desenvolvido. Para provar a funcionalidade da ferramenta foi feito um concurso onde os participantes teriam uma hora para montar uma proposta de desenvolvimento para um bairro para um bairro próximo ao centro da cidade. O sistema definiu o vencedor de acordo com melhores índices de capacidade de se deslocar a pé, desempenho energético dos edifícios e acesso à luz natural.

 

Imagem de Amostra do You Tube

 

O MIT já está realizando experiências reais com a tecnologia.

 

A INGEP presta consultoria online vai Skype. Entre no link de contato e consulte nossa disponibilidade de agenda. Nosso objetivo é o sucesso do seu projeto.

1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *